PANTERA NEGRA e TUIUTI - Digressões

Meu encanto com o filme da Marvel (Pantera Negra) veio, sobretudo, da linguagem simbólica empoderando princípios. O referencial sagrado, expresso na potência vibrante da Natureza que integramos e na reverência aos ancestrais que tecem linhas de forças que nos inspiram... O desafio entre os Panteras Negras fez com que "vencedor" absorvesse o melhor do "vencido", funcionando como contrapartes... Ampliando a noção de Meu Povo e caminhando na direção de Uma Só Tribo. Não basta só proteger, há que atuar... Uma espada não deve ser movida com ódio e rancor, mas com justiça!

o teve como deixar de correlacionar o filme com um dos momentos que mais me marcou no desfile da Escola de Samba Paraíso da Tuiuti (Carnaval Rio 2018), já na sua comissão de frente: Pretos Velhos (ancestralidade, dimensão sagrada), curam (libertam) escravo e feitor, pelo fortalecimento do melhor que trazemos dentro (a luz que nos irmana) afastam a grande heresia que é a separatividade...

Bom demais ver o continente africano retratado em todo seu esplendor... Melhor ainda sentir vibrar no Povo Brasileiro renovada potência para romper com grilhões... Só a gente sabe a força da história que carrega! Soltamos o primeiro de muitos gritos presos na garganta...

Que a grande linhagem de guerreiros nos inspire... Para o alto e adiante!!!

Filósofa Clínica, Pesquisadora, Educadora, Mobilizadora Social e Empresarial / Instituto ORIOR — Resgate Filosófico, Transdisciplinaridade e Sustentabilidade.

Filósofa Clínica, Pesquisadora, Educadora, Mobilizadora Social e Empresarial / Instituto ORIOR — Resgate Filosófico, Transdisciplinaridade e Sustentabilidade.