do filme Black Swan, Darren Aronofsky, EUA, 2010

Oportunamente chega a hora / Da luz e escuridão do palco amainar / Longe dos especiais efeitos / O texto toma o lugar / Talvez transcendência consista / Na coragem e ousadia do caminhar / De levantarmos sobre nós mesmos / Rompendo grades / Escalando muros / Identificamos outro elemento a nos guiar

A potência obstinada em nós presente / Amedronta e nos faz mudos / Enfraquecida pela espessa névoa / Da emoção contida num repente

Preconceitos / Resiliências / Pensamentos torpes e estreitos / Entorpecem o senso de conexão / Sem indulgências / A expectativa aperta o coração / Cria uma / Rompe outra vida

Na tempestade frenética das águas / Duas aves em disputa / Agonizam / Já não refletem o encantamento / O peso não deixa envergar as asas / Comprometido fica o movimento

O pouco pulso nos obriga / A rastejar a esmo / Uma entre tantas debilidades / Qual criança pedinte / De acalanto e afeto / Não importa a idade

Não cresce / Não paga pelo cambiante esforço / De andar como gente grande / Corpo altivo / Ereto

A teimosia invade / Em uma vida sofrida / Onde se carrega de tudo / Menos o que é nosso / Confunde-se o olhar / Branco ou negro / O que posso

A noção do ritmo é esquecida / Desbota o suave brilho / Do caminhar / Retumba o colosso na angústia / Que insufla no fosso da dúvida / Se lançar

E a maravilha da vida / É que quando a ela / Nos entregamos / A certeza da força / Reverbera em todos os planos

Nos largamos / E surpresa / Ninguém sucumbe/ Avançamos

A cor de novo é realçada / O distante fica perto / A superfície aquece o profundo / O significado é descoberto / Secamos a sede / Inundados de mundo

A sombra da melancolia / Pensando tocar o escuro da noite / Dá lugar ao claro suave da alegria / Levitamos num açoite / Rumo a mais um dia

Não sou mais negro nem branco / Lua e sol em harmonia / Nas serenas águas dos sentimentos / Em um cintilar de nostalgia / O horizonte começa a esboçar / A imagem cada vez mais presente / De um real cisne gris a despertar

Não há mais lamentos / Tudo o que nos cabe na mente / Confirmam visão e coração atentos / Já não são dois a duelar / Do momento ergueu-se o mito / Elegante / Asas em riste / Pronto para voar / Sente a densidade da água / Mas é na sutileza do infinito / Que se dá seu deslizar

O olhar agigantado / Pela força do imaginar / Liberta da clausura / Quem o esquecimento condenou / Não resta dúvida / Confirma a partitura / O seu tempo chegou / Está pronto para reinar

(Texto de Fevereiro de 2011)

Filósofa Clínica, Pesquisadora, Educadora, Mobilizadora Social e Empresarial / Instituto ORIOR — Resgate Filosófico, Transdisciplinaridade e Sustentabilidade.

Filósofa Clínica, Pesquisadora, Educadora, Mobilizadora Social e Empresarial / Instituto ORIOR — Resgate Filosófico, Transdisciplinaridade e Sustentabilidade.