Humanidade Encapsulada

Vocês já se depararam com profissionais que, de tão padronizadamente mergulhados no papel que representam, se pasteurizam tanto a ponto de encapsularem sua humanidade?!

Há muito os tenho encontrado, nas mais diversas áreas. Percebo-os muito próximos, invadindo territórios esquecidos, não cultivados, abandonados.

O assombroso é que o mercado não só ainda anseia como replica esses perfis, não raro fruto de linha de montagens do tipo: transforme-se em oito passos e seja você o sucesso!

Sucesso que se traduz comumente no endosso do mesmo, ainda que travestido de diferente.

Por um certo momento eu de fato pensei que essa Pandemia fosse suavizar o arrogante rompante de tudo conhecer e dominar. De reduzir visões de mundo ao enquadramento de nossos gostos e preferências, hermeticamente vedados e selados como se verdades fossem. A mais pura e absoluta. O resto é resto e que se dane, melhor ignorar…

Nesse abissal individualismo o outro é aceito como igual, desde que reitere caminhos e não questione rotas. Caso contrário se converte em ameaça e como tal deve ser, quando não completamente aniquilado: contido, tolhido, inibido.

Com a proliferação massiva de eus somada a escassez de outros o singular se perde e o plural é esquecido. Deixamos tão opacos os espelhos que nada refletem além da mecanicidade da repetição sem presença, que já nasce moribunda.

Da hiperestimulação rasteira, o anestesiamento que inviabiliza sutilezas e obstrui rotas de fuga, possibilidades de deter o fastio e prospectar cenários outros. Nem mesmo com os gritantes adereços que repetidamente falseiam mobilidade, damos conta da paralisia detectar.

Na esteira que fere e fragmenta o humano, a dissociação é processada: se elimina o sentir como pulsar de interseção, deixando minguar o pensar à deriva no violento colidir de mundos. Feito isso, marionetes armadas, basta governar o fazer para onde convier.

Debilitado o humano não mais percebe suas fome e sede. Se fosse capaz de percebê-las talvez acionasse a força visceral para encarar arrebentação e buscar além do choque das ondas a integralidade capturada. Junto dela, o poder de autogoverno.

Abraçar o contraditório em nós reabilita o sentir, dá polimento aos espelhos, permite enxergar e ponderar. Possibilita a confiança da entrega enquanto fazer empático sustentado no repertório que se carrega, uma composição entre força e vulnerabilidade que nos humaniza e nos capacita a encontrar o outro, construir e crescer junto, tanto na vida quanto na clínica. Como seres humanos que somos e terapeutas que estamos.

Em quantas andam as profissões nas nossas sociedades… Servem a humanidade, viabilizadas pelo capital? Ou servem ao capital, viabilizadas pela humanidade?!

--

--

--

Filósofa Clínica, Pesquisadora, Educadora, Mobilizadora Social e Empresarial / Instituto ORIOR — Resgate Filosófico, Transdisciplinaridade e Sustentabilidade.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Ana Rita de Calazans Perine

Ana Rita de Calazans Perine

Filósofa Clínica, Pesquisadora, Educadora, Mobilizadora Social e Empresarial / Instituto ORIOR — Resgate Filosófico, Transdisciplinaridade e Sustentabilidade.

More from Medium

2022 Horizon League Tournament Preview

How to create Gmail account | N techno -

FIS Utility on rDEX V1

The Secure Edge: Daily Round-up of Infosec Blogs — Issue #59