CORINGA - Normose nocauteada, esteriótipos desconstruídos

Ontem assisti o Coringa ("Joker", Tood Phillips e Scoot Silver, 2019), presente nas principais telonas mundo afora, primeiro longa de um vilão da DC Comics. Ainda processando, tamanho impacto. O filme cativa como um todo: música, fotografia, roteiro e a estupenda interpretação de Joaquin Phoenix, impressiona!

A densidade do personagem, de uma singularidade existencial única, rechaça tipologias e estereótipos do que é normal e aceitável, do que é saúde e doença, do que é certo e errado. Desvela a tênue linha e o potencial estrago de conceitos adotados aprioristicamente como Bem e Mal, Herói e Vilão, Humano e Besta, Real e Ilusório, Potência e Vulnerabilidade, Abjeto e Sublime.

O filme demanda olhar atento e libertação dos grilhões de nosso próprio tempo. Freios: o que são, a quem servem, como utilizá-los...

Lembrei muito de Giordano Bruno, do combate a ignorância pelo livre exercício do sonhar e filosofar... De Baruch Spinoza, quando vive Deus em tudo e não se restringi a falar sobre Ele, por mais bela que seja a retórica, o perdemos. De Nietzsche, na mesma linha, Deus está morto, o ser humano o matou pela mortal cisão imposta entre as coisas do Céu e as coisas da Terra. De Albert Einstein, vislumbrando Princípio Inteligente nas leis que regem universo... De Gustav Jung, com a abundante simbologia humana e a força arquetípica absorvida pelo inconsciente coletivo. De Joseph Campbell, na saga do herói de mil faces e na leitura do Mito de Prometeu, que rouba o fogo dos deuses para presentear a humanidade e, assim, separa homem e besta.

Eterna dança entre Luz e Sombra, na busca do fogo. Chama associada a lucidez, ao poder de discernir e transmutar.

Presente nas tantas pessoas do Pessoa. Nas invenções de humano, por Shakespeare. Na loucura elogiada, ironia inteligente e provocativa de Erasmo. Da alienação e miopia a que todos estamos sujeitos, incluindo o Alienista de Machado. Nos infernos e paraísos de Dante, que Comédia...

As correlações são muitas, não findam. Aliás, o tema se repete, século após século... Por que será?! O que temos a aprender com isto?! Até onde a vilania fascina, como antítese ou contraparte do heroísmo...

Fato é que a fina estética e poética que envolve o enredo faz o filme desconcertar, impactar, perturbar e cativar! Perigoso, crítico, profundo... A sociedade diante do espelho. O humano nú. E o grito agudo por escuta.

--

--

Filósofa Clínica, Pesquisadora, Educadora, Mobilizadora Social e Empresarial / Instituto ORIOR — Resgate Filosófico, Transdisciplinaridade e Sustentabilidade.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Ana Rita de Calazans Perine

Ana Rita de Calazans Perine

Filósofa Clínica, Pesquisadora, Educadora, Mobilizadora Social e Empresarial / Instituto ORIOR — Resgate Filosófico, Transdisciplinaridade e Sustentabilidade.