A HISTÓRIA POR DETRÁS DA CENA

Na companhia de minha Mãe, estou quase finalizando a estadia em Porto de Galinhas, distrito de Ipojuca, local super aprazível a cerca de 80 km de Recife, capital de Pernambuco, no nordeste brasileiro.

Mais uma oportunidade de, em pleno inverno, entre uma pancada de chuva e outra, curtir o sol que tinge de azul esverdeado o mar e a gente de cor de rosa. Muitos sulistas fugindo do frio, ao lado de hermanos uruguaios e argentinos.

O povo daqui é simpático, educado e muito trabalhador! Gente que se vira, que “vende seu peixe” sem ser inoportuna, uma arte… que valoriza não só o ganha pão como a troca de olhares, sorrisos, impressões de mundo…

Senhoras e senhores, jovens, adultos e crianças… Nas embarcações, areias, calçadas, lojas e restaurantes… Cada qual com seus medos e sonhos… Realidades distintas, mas ainda assim tão semelhantes…

Pais novatos que adiaram um pouco o sonho da faculdade pra construir casa e sustentar família. Jovens que equilibram trabalho e estudo. Adultos que com o suor de seu trabalho levaram seus filhos às universidades, sem ter eles próprios a segurança do beabá. E muitos aposentados que para ter o que comer continuam na árdua, mas honesta labuta.

Percebi esperança no ar… Pensando nisto tudo e em uma grande lição que é a marca da minha Mãe, fala com Deus e o Mundo… como rápidas palavras trocadas, desde que plenas, de coração, despertam o melhor no outro e na gente… Sim, temos jeito! Somos realmente um povo singular, criativo, caloroso… baita mistura de raças esta nossa!

O que o Brasil precisa é revisitar e resignificar sua própria história, perceber que sua força vem da mestiçagem que todos trazemos no sangue. Quando nos orgulharmos dela, legitimaremos cada um e não admitiremos mais um governo que não seja capaz de nos representar por inteiro. Todos ou nenhum!!!

Quem sabe assim, algum dia, a história por detrás da cena paradisíaca deste local possa ser revisitada e difundida sem nos causar pudor, por sabermos que ignorâncias como estas foram vencidas…

O nome Porto de Galinhas, embora muito pouco ou quase nada se fale abertamente, vem de negros contrabandeados como escravos, escondidos nos navios embaixo de engradados de galinhas d’angola. Sua chegada a beira mar era anunciada pela senha "Tem galinha nova no Porto!"

--

--

Filósofa Clínica, Pesquisadora, Educadora, Mobilizadora Social e Empresarial / Instituto ORIOR — Resgate Filosófico, Transdisciplinaridade e Sustentabilidade.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Ana Rita de Calazans Perine

Ana Rita de Calazans Perine

Filósofa Clínica, Pesquisadora, Educadora, Mobilizadora Social e Empresarial / Instituto ORIOR — Resgate Filosófico, Transdisciplinaridade e Sustentabilidade.